Gestão da Saúde: Como estruturar e utilizar as informações da sua empresa


Medindo as coisas certas.


A avaliação do programa é fundamental para manter a sustentabilidade das ações de bem-estar. Para fazer isso de forma adequada, desenvolva um plano de avaliação no início de um programa para que a coleta de dados possa ocorrer e ser monitorada ao longo do tempo.

Abaixo listamos 4 passos fundamentais para começar a estruturar e utilizar big data em seu programa de bem-estar.

Primeiro Passo: Para que medir

Gealmente, há duas respostas de porquê medir suas ações de qualidade de vida: retorno sobre o investimento (ROI) e valor do investimento (VOI). Um sistema eficaz de gerenciamento e mensuração de dados pode apoiar objetivos organizacionais, que ajudam na:

  • Tomada de decisão
  • Melhoria e monitoramento do programa.
  • Prestação de contas.

Segundo Passo: O que medir

Para atingir os resultados de ROI e VOI, vamos exemplificar alguns dados que podem ser mensurados, antes, durante e pós o programa:

  • absenteísmo
  • sinistralidade,
  • produtividade
  • turn-over,
  • uso de medicamentos,
  • screening de saúde,
  • adesão, satisfação e evolução do quadro de saúde dos colaboradores

Terceiro Passo: De quem medir

Quais são as fontes responsáveis pelos dados, e como eles devem prover a informação é o próximo passo, são possíveis fornecedores de dados:

  • departamento internos ou externos da empresa (ex: recursos humanos, medicina ocupacional e segurança do trabalho)
  • operadora/corretora de saúde,
  • benefício farmácia,
  • demais parceiros/fornecedores de saúde e qualidade de vida.

Quarto Passo: Como medir

A área de recursos humanos e de saúde e segurança começam a ganhar papel mais estratégico dentro das companhias com o auxílio de recursos tecnológicos. A importância da coleta sistemática de dados em saúde, usando uma plataforma de tecnologia que torne o dado uma linguagem que permita a integridade e consistência dos dados, auxilia o gestor na tomada de decisões, garantindo uma possibilidade maior de sucesso do programa de qualidade de vida.

Para tanto, os sistemas tecnológicos devem ser capazes de integrar as diversas informações dos diversos fornecedores, tanto na camada vertical, das demandas de dados internos, como na camada horizontal, permitindo que os dados sejam comparados entre indivíduos, grupos e sites organizacionais.

Em resumo, os dados que são coletados dos programas de qualidade de vida podem atender a uma variedade de propósitos em um sistema integrado de gerenciamento de dados. A Gestão da Informação é Chave de Sucesso para o Seu Programa.

Quer se aprofundar no tema, conhecendo cases e especialistas da área? Durante a programação da 17º Edição do Congresso Brasileiro de Qualidade de Vida, vamos abordar com profundidade o tema do uso da informação em saúde, bem como diversos tópicos que envolvem o processo de gestão, como a gestão dos planos assistenciais, e do absenteísmo por causa médica, entre outros.

A ABQV acompanha de perto todas as tendências mundiais dos programas de qualidade de vida. Soluções inovadoras e sustentáveis, que podem ser aplicadas dentro da qualidade de vida no trabalho, para gerar resultados mais eficazes nas ações de bem-estar serão apresentadas ao público durante os três dias de Congresso, que acontece de 20 a 22 de maio, no Instituto Sírio Libanês, em São Paulo.

Para saber mais sobre o Congresso Brasileiro de Qualidade de Vida, acesse o site e confira todos os detalhes sobre a programação de palestras e cursos.